quarta-feira, 25 de março de 2009

E por falar em...


- Não gosto de vir ao MegaChic. Me lembra o Celso e o Jean, dá uma saudade!

- Não, mãe, você não tem saudade dos dois. Assim como eles não tem saudade da gente - eles estão em São Paulo, e você, mãe, não fica em casa sozinha o dia todo... quem sabe de saudade sou eu!

...

Este pequeno diálogo aconteceu uns trinta minutos antes.

Agora, sentada na mesa do corredor, próxima ao buffet, de frente para a ponte do Rio Una, olhando o movimento nesta noite de quarta feira (dia de vermelho), penso em como vou contar para o Celso (mais uma vez), amanhã, via SISBB, da falta que eles fazem na nossa vida.

- Não é vir no MegaChic que dá saudade deles, mãe. É vir à noite no MegaChic.

Até me assusto e penso que, agora, Paulinha começou a ler meus pensamentos. Ou será que falei em voz alta? Não. Na verdade, a saudade que nos une faz com que a sintonia aumente e ela verbalize o meu sentimento.

...

Pois é. Saudade é uma coisa que não tem explicação. Assim como amizade. As pessoas aparecem do nada, entram na vida da gente, marcam território e assim, sem mais, partem. Deviam partir levando tudo o que tem direito, mas não: teimam em deixar a saudade.

...

Ainda bem que só dá saudade do que é bom, de gente que vale a pena, de coisas que fazem diferença pro bem.

2 comentários:

Paulinha Fernandes disse...

Que lindo, mãe... E você, sim, conseguiu exprimir a falta que eles fazem...
OOOOO coisas custosas que somem...
Bom... pra lembrar do Celso, um beijo e um queijo!

Maya disse...

é... eu sei bem o que é isso... (in?)felizmente...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...